O poeta, o performer, o profanador: o enunciado performativo e a contraversão do poder em Alberto Pimenta 20 de set. de 2018

Visto 7 veces

O poeta, o performer, o profanador: o enunciado performativo e a contraversão do poder em Alberto Pimenta

“L’écrivain est en situation dans son époque: chaque parole a des retentissements. Chaque silence aussi”. Esta frase de Sartre ainda não perdeu a sua actualidade, sobretudo em relação à crise migratória dos nossos dias. Mas também é preciso lembrar que a queda do Muro de Berlim deu início a uma crise intelectual, associada ao final de uma época. Nasceu a necessidade de deixar para trás certos mitos culturais, coloniais e nacionalistas, e esta mudança fez-se acompanhar pelo sentimento de desilusão que Walter Benjamin designara por “melancolia da esquerda”. A poesia não ficou à margem destas e de outras mudanças fundamentais e, nas palavras de Gabriel Zaid, “pode ser tão útil ou inútil para ilustrar o mundo como a prosa”, especialmente no que diz respeito à conveniência de mudanças sociais, políticas, económicas, etc.

Antía Monteagudo Alonso
Doutoranda en Estudos Literarios e investigadora permanente da I Cátedra Internacional José Saramago, Universidade de Vigo, Universidade de Vigo

Vídeos da mesma serie
Apertura
20 de set. de 2018
Una comunicación otra (poética, política, crisis)
conferencia Inaugural
20 de set. de 2018